domingo, 24 de abril de 2011

Experiência gratificante



Há pouco mais de um mês, assumi um novo desafio: educar jovens e adultos no Ensino Médio. Posso assegurar-lhes que é uma experiência gratificante. Sabem por quê? Porque eles têm sede do saber, já trazem um background considerável e o melhor: querem recuperar o tempo perdido. Não mais precisam ser convencidos da importância dos estudos, pois a escola da vida já lhes ensinou isso. Agora, imaginem alguém, que ama a profissão de educador, com uma clientela dessas! A troca de saberes é riquíssima! Aprendemos juntos.




Para realizar este trabalho, fui lotada no Centro de Educação de Jovens e Adultos – CEJA Professor Alfredo Simonetti. Acolhimento excelente. Adaptação instantânea. Ainda cheguei a tempo de engajar-me em um trabalho interdisciplinar, idealizado pela Profª Lúcia Câmara, que mobilizou todos os integrantes deste Centro, e sobre o qual agora vou relatar.




Durante os primeiros vinte dias deste mês, estivemos todos pesquisando sobre o assunto “Vida e meio Ambiente” (água, lixo, poluição, violência ambiental/humana). O tema do projeto foi “Vida no Planeta Terra, o Alerta do Século XXI”.
O principal objetivo deste trabalho foi mostrar os impactos das ações do ser humano no meio ambiente e lançar propostas para amenizar ou solucionar os problemas gerados.










Nós - professores e alunos -, além de consultarmos as mais diversas fontes, fizemos uma aula-passeio (que nos proporcionou uma vivência rica e também ampliou o aprendizado) para detectarmos os problemas locais. Fomos a lugares que, normalmente, jamais pensaríamos em visitar: o aterro sanitário da cidade, a área poluída de uma favela e um local onde é feita a reciclagem do lixo (ACREVI - Associação Comunitária Reciclando para a Vida).









No ateliê da ACREVI, tivemos uma surpresa: encontramos um gênio inventor chamado Febrônio da Conceição. Ele é artesão e reutiliza garrafas pet (abreviatura de politereftalato de etileno que é um polímero termoplástico, desenvolvido por dois químicos britânicos Whinfield e Dickson em 1941) para fabricar vassouras. O detalhe é que, para confeccioná-las, ele mesmo projetou as máquinas que são feitas de sucata (motor de máquina de lavar, peças de ferro de máquinas de costura, pedaços de madeira, entre outros), que ele reaproveita do que vem da coleta seletiva. Se tudo que existe provém de matéria preexistente, podemos dizer que Febrônio está pondo em prática - e à risca - a Lei de Lavoisier ou Lei de Conservação da Massa (“Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”) e contribuindo para a difícil tarefa de equilibrar o consumo (os resíduos gerados) e a reciclagem do meio.
Ficamos impressionados. O trabalho deste rapaz deve ser divulgado para que mais pessoas reutilizem o plástico e, desta forma, possamos reduzir a poluição ambiental consequente do descarte desse material. Penso que os governantes e os fabricantes também deveriam investir em iniciativas dessa natureza.





A culminância do projeto aconteceu na quarta-feira, 20.04.2011, com a apresentação dos trabalhos realizados. Devidamente motivados e bem informados, os alunos apresentaram peças, maquetes, vídeos produzidos por eles mesmos, uma exposição fotográfica (fotos feitas por eles durante a aula-passeio e pelos bairros onde residem) e outra de cartazes. Também trouxeram convidados: um excelente palestrante (Joilson Marques Ferreira Filho - integrante do Grupo de Estudo e Pesquisas em Educação Ambiental, Meio Ambiente e Sustentabilidade – GEEAMAS/UERN), o poeta mais famoso da cidade (Antônio Francisco Teixeira de Melo), isso sem contar com a interpretação de uma linda música, por uma das alunas dos blocos de estudo, e a recitação bilíngue (em LIBRAS e em Língua Portuguesa), simultânea, de um poema por duas alunas: uma com surdez e outra ouvinte. Tive o privilégio de ser a apresentadora deste evento e pude constatar que os alunos adquiriram, a partir deste trabalho, uma visão mais crítica dos aspectos funcionais de sua cidade e um domínio do espaço vital de seu macro-ambiente. Assim sendo, acredito que as lições aprendidas serão aplicadas em seu dia a dia.























Os registros fotográficos foram feitos pelos alunos do Ensino Médio deste CEJA
Copyright 2011© Josselene Marques
Todos os direitos reservados

6 comentários:

Pedro Azeredo disse...

Vós tendes razão quanto a ser um desafio o ensino a quem já é maduro. Não obstante, é uma tarefa que pode vos dar prazer e alegria, pois o câmbio de experiências é bem maior e proporcional à responsabilidade assumida. Eu desejo sucesso para vós.
Percebo que sois uma mestra comprometida e atuante. Penso que fizestes muito bem ao dar a conhecer esse trabalho colectivo. Felicitações pelo vosso blog e, sobretudo, pelo vosso português.

Pedro Azeredo
Parede (Portugal)

Baladas Mp3 disse...


¡¡¡ Felicitaciones Jossi!!
Dios bendiga a esos Docentes que toman la hermosa iniciativa de educar en la ecología.Dios te bendiga a ti por formar parte de ese proyecto.Dios bendiga a los jóvenes porque cuentan con la fortuna de tener Docentes que además de brindarles alfabetización rutinaria, les regalan la enseñanza del amor por la vida,la naturaleza y el planeta.
¡¡¡ Éxitosss!!!.

Sulla Mino disse...

Adorei o Post, um aprendizado enorme e gratificante. Parabéns!

Passa lá no Blog, tem um "Presentinho" pra você.

Bjks,

Hilma Liana disse...

Primeiramente, quero parabenizar você, Josselene, pelo blog de excelente qualidade. Admiro o seu talento e dedicação pela educação.
Fico feliz que você tenha a oportunidade de trabalhar com a EJA, é uma experiência gratificante e um aprendizado constante. Atuo nesse segmento há 10 anos e quero compartilhar da sua alegria em trabalhar com um público tão afetuoso, apesar dos desafios diários.
Felicidades e muito sucesso na sua caminhada.

Hilma Liana

Anônimo disse...

Josselene, eu sempre defendi o estudo através de Projetos. Acredito que é uma das melhores formas de se repassar conheicmento, pois aliamos teoria com a prática. Essa iniciativa da Escola em que você "milita" está de parabéns e, acredito eu - e tenho certeza que você também -, que os resultados obtidos foram excelentes. Quando vejo iniciativas como esta, volto a sonhar com um futuro melhor para as nossas crianças. Parabéns!
Abraço,s
Raí

altemir disse...

olá amiga e tão importante educadora, gostaria de lés informar q o companheiro Febrônio não é tão gênio assim, pois as maquinas já foram criadas antes mesmo dele estar com a acrevi.
e tem mais o projeto das vassouras na associação existem desde o ano de 2007/2008, q por sinal foi implementado pelo CNOQ junto UERN.
ASSIM COM UM TRABALHO COM PAPAEL RECICADO R DE MAIS OUTROS ARTESANATOS E OBRAS ARTISTICAS.
inclusive eu atemir fogo avlis estive nesse possesso como voluntario nesta mesma assossiação de 2003 a 2009 como artista plastico e articulador cultural na comuinidade.