segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Padim Ciço, Santo ou Coronel?

O criador e sua obra
Foto colhida no blog do mesmo.

O poeta, dramaturgo, cineasta e advogado cearense Valdecy Alves lançou, no último dia 9 do mês corrente, na internet, o documentário Padim Ciço, Santo ou Coronel?

Segundo o idealizador e produtor do projeto, o Padre Cícero Romão Batista foi um dos brasileiros mais polêmicos e é uma figura universal.
O documentário, de 25 minutos, foi dividido em 3 partes, devido às limitações do site (o Youtube só recebe projetos com duração de até 10 minutos).

O trabalho é uma produção independente de Valdecy Alves e o resultado de 2 anos de pesquisas, entrevistas, gravações e participações em duas romarias.

Na minha humilde opinião, o trabalho ficou excelente porque mostra a figura humana do Padroeiro do Juazeiro, com suas virtudes e imperfeições, e nos faz refletir sobre um fenômeno: o misticismo que envolve a figura deste padre-santo e sua forte influência na vida de seus seguidores-devotos.

Apesar de ter sido ameaçado de excomunhão e bastante perseguido, foi um dos primeiros religiosos a fazer a opção pelos pobres – antes mesmo da Instituição que o ordenou e renegou.

À revelia do Vaticano, em reconhecimento aos feitos do Padim Ciço, e por uma questão de justiça, o povo-romeiro o reabilitou e o transformou em santo.

O documentário também foi lançado, há seis meses, em pontos de cultura de Fortaleza e cidades do estado de São Paulo.

Imagem colhida no blog do cineasta


SINOPSE DO DOCUMENTÁRIO
PADIM CIÇO – SANTO OU CORONEL?

Trata-se de um documentário sobre Padim Ciço, como o chamam os romeiros. Após dois anos de captação em duas romarias. Mostrando todas as suas facetas, que o fez um dos mais polêmicos personagens da história do Brasil. De Juazeiro do Norte - uma Nova Jerusalém - e de Padre Cícero - o São Francisco Brasileiro. Críticas mordazes dos intelectuais da época e membros da Igreja, opiniões de artistas, antropólogos, socialistas e, claro, dos romeiros, que fazem das romarias uma festa e um espetáculo de esperança e fé. Além de toda riqueza da cultura popular do Cariri, a força da religião na vida social, na economia de cada juazeirense. Trilha sonora toda criada por artistas populares. Quem assistir poderá tirar melhor suas conclusões sobre o mito que é Padim Ciço, o Cearense do Século.

Para saber mais e/ou assistir ao documentário, acesse:
http://www.valdecyalves.blogspot.com/

http://www.youtube.com/watch?v=Fdp5GrhEyHg
http://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%ADcero_Rom%C3%A3o_Batista
http://jmmfselene.blogspot.com/search/label/Express%C3%A3o%2Fcidades

Copyright © 2009 – Expressão – Meu Horizonte
© Todos os Direitos Reservados

5 comentários:

Valdecy Alves disse...

Muito obrigado por divulgar o meu trabalho. Sei da sua luta como educadora e da pouca valorização que é dada aos educadores e à educação, pois assessoro vários sindicatos de professores e servidores públicos no Estado do Ceará. Se quiser cópia do documentário para exibir e debater com os seus alunos, mande-me o seu endereço. Felicidades pra vc e a convido para que siga o meu blog, pois já sou seu seguidor.

Professor Teobaldo disse...

Educar, nos dias de hoje, é tarefa para gigantes pena que quase ninguém se da conta disso....
parabéns

Atualizações via email disse...

DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA...




"As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
têm direito inalienável à Verdade, Memória,
História e Justiça!" Otoniel Ajala Dourado




O MASSACRE APAGADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA


No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi o MASSACRE praticado por forças do Exército e da Polícia Militar do Ceará em 10.05.1937, contra a comunidade de camponeses católicos do Sítio da Santa Cruz do Deserto ou Sítio Caldeirão, que tinha como líder religioso o beato "JOSÉ LOURENÇO", paraibano de Pilões de Dentro, seguidor do padre Cícero Romão Batista, encarados como “socialistas periculosos”.



O CRIME DE LESA HUMANIDADE


O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram na “MATA CAVALOS”, SERRA DO CRUZEIRO, mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como juízes e algozes. Meses após, JOSÉ GERALDO DA CRUZ, ex-prefeito de Juazeiro do Norte, encontrou num local da Chapada do Araripe, 16 crânios de crianças.


A AÇÃO CIVIL PÚBLICA AJUIZADA PELA SOS DIREITOS HUMANOS


Como o crime praticado pelo Exército e pela Polícia Militar do Ceará É de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO é IMPRESCRITÍVEL pela legislação brasileira e pelos Acordos e Convenções internacionais, por isto a SOS - DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza - CE, ajuizou em 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo que: a) seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) sejam os restos mortais exumados e identificados através de DNA e enterrados com dignidade, c) os documentos do massacre sejam liberados para o público e o crime seja incluído nos livros de história, d) os descendentes das vítimas e sobreviventes sejam indenizados no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos



A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO


A Ação Civil Pública foi distribuída para o Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, redistribuída para a 16ª Vara Federal em Juazeiro do Norte/CE, e lá foi extinta sem julgamento do mérito em 16.09.2009.



AS RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5


A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife/PE, argumentando que: a) não há prescrição porque o massacre do Sítio Caldeirão é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos mortais das vítimas do Sítio Caldeirão não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do CZAR ROMANOV, que foi morta no ano de 1918 e a ossada encontrada nos anos de 1991 e 2007;



A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA


A SOS DIREITOS HUMANOS, igualmente aos familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo desaparecimento forçado de 1000 pessoas do Sítio Caldeirão.


QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA


A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem encontrar a cova coletiva, e por que não a procuram? Serão os fósseis de peixes procurados no "Geopark Araripe" mais importantes que os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO?



A COMISSÃO DA VERDADE


A SOS DIREITOS HUMANOS deseja apoio técnico para encontrar a COVA COLETIVA, e que o internauta divulgue esta notícia em seu blog, e a envie para seus representantes na Câmara municipal, Assembléia Legislativa, Câmara e Senado Federal, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal que informe o local da COVA COLETIVA das vítimas do Sítio Caldeirão.



Paz e Solidariedade,



Dr. OTONIEL AJALA DOURADO
OAB/CE 9288 – 55 85 8613.1197
Presidente da SOS - DIREITOS HUMANOS
Membro da CDAA da OAB/CE
www.sosdireitoshumanos.org.br

Anônimo disse...

Interessante. Esse rapaz é um herói. Um trabalho assim deveria ser encampado por uma Universidade em seus projetos de extensão.
Abraço,s
Raí

Josselene Marques disse...

Valdecy:

Foi um prazer fazer a divulgação. Admiro pessoas de iniciativa, que ousam e faço o que posso para ajudá-las. Quero o documentário, sim. Entrarei em contato. Obrigada por seguir o meu blog e, certamente, você também tem mais uma seguidora.
Cordial abraço.

Teobaldo:

Há quanto tempo, professor!
Seja bem-vindo a este espaço e obrigada pela visita.


Dr. Otoniel:

Obrigada pelas informações e pela visita.
Seja bem-vindo!


Raí:

Concordo plenamente com você.
Obrigada pela visita e pelo comentário.
Abraço, mestre!